Oferendas de Preto Velhos

Oferendas a Preto Velhos.

Toalha ou pano branco; velas brancas; fitas brancas; linhas brancas; pembas brancas; frutas de todas as espécies; bebidas (café, vinho doce, cerveja preta, água de coco, vinho branco licoroso); flores (crisântemos brancos, margaridas, lírios brancos); comidas (arroz doce, canjica, bolo de fubá de milho, milho cozido, doce de coco, doce de abóbora, doce de cidra, coco fatiado, quindim).

Arroz Doce

Ingredientes:

2 xícaras (de chá) de arroz
1 litro de leite
2 xícaras (de chá) de açucar refinado
1 quartinha de barro (pode ser uma caneca de ágata)
1 garrafa de vinho tinto seco
1 alguidar de barro (pode ser uma tigela de ágata)

Modo de Preparo:

Cozinhe o arroz, já lavado, em 1 litro de leite com o açúcar por aproximadamente uma hora, mexendo de vez em quando até o leite estar quase seco e grosso. Coloque no alguidar e espere esfriar.


Bolo de Fubá

Ingredientes:

1 xícara (de chá) de fubá
1 xícara (de chá) de farinha de trigo
1 xícara (de chá) de açúcar
1 xícara (de chá) de leite
4 colheres (de sopa) de banha ou manteiga
1 ½ (uma e meia) colher (de sopa) de pó Royal
½ (meia) colher (de chá) de sal
1 colher (de sopa) de erva-doce
2 ovos
1 prato de barro
Café já coado e sem açúcar
1 caneca de ágata

Modo de Preparo:

Em um recipiente separado, misture o fubá, o açúcar, a farinha de trigo, a erva-doce e o sal.

Em outro recipiente, misture os ovos ligeiramente batidos, o leite e agordura derretida.

Acrescente, aos poucos, os ingredientes líquidos aos secos, misturando bem até obter uma massa homogênea.

Despeje em uma forma redonda untada com banha ou manteiga.

Asse em forno quente por 40 minutos.

Desenforme depois de frio e coloque no prato de barro.


Farofa de Carne Seca

Eventualmente, com a aprovação da entidade, pode-se fazer uma oferenda mais quente aos Pretos Velhos. Eu mesmo já ví várias vezes no Santuário da Umbanda, feijoada ofertada aos Pretos Velhos. Nós da casa de Pai Joaquim, gostamos de oferecer esta farofa de carne seca:

Ingredientes:

½ (meio) quilo de carne seca
Azeite de dendê
1 cebola grande, picada
farinha de mandioca crua
7 pimentas vermelhas picadas
1 alguidar
1 garrafa de vinho tinto seco
1 quartinha de barro (pode ser uma caneca de ágata)

Modo de Preparo:

Deixe a carne seca de molho por uma noite (troque a água 3 vezes).

Troque novamente a água e afervente-a por 15 minutos em panela de pressão.

Deixe esfriar e desfie a carne.

Numa panela de tamanho médio, aqueça o azeite-de-dendê, doure a cebola e as pimentas picadas.

Acrescente a carne seca e refogue até dourar.

Vá acrescentando a farinha mexendo sempre até adquirir a consistência desejada.

Retire do fogo, coloque no alguidar e espere esfriar.

Preto Velho tinha sete filhos

Todos os sete pra dar de comer

A panela era pequenininha

Ora, parte e reparte que eu quero ver.


Quando um Preto-Velho cruza seu caminho.

Quando um Preto-Velho olha para você, é como se olhasse para dentro da sua alma.

É impossível mentir, fingir, dissimular.

Ele simplesmente sabe o que se passa com você e você lê isso nos seus olhos.

Quando um Preto-Velho olha para você, é como se o amor se derramasse encima de você, inundando seu coração de ternura e paz, não deixando espaço para a dor, que parece ser expulsa de dentro do seu corpo, em forma de lágrimas.

Quando um Preto-Velho olha dentro dos seus olhos, tudo de ruim, feio, reprimido se solta e você é compelido a chorar e “lavar” a dor que tinha dentro, para que o amor tome o lugar.

Então o Preto-Velho fala.

E quando ele fala com você, daquele jeitinho simples, parece que desvenda sua alma. E quando ele pergunta “do que a fia precisa?” É como se já soubesse exatamente do que você precisa. E nessa hora, é impossível mentir, porque você já está calmo, transparente das máscaras do dia a dia, sua alma está ali, nua, na frente do Preto-Velho, e parece que ele sabe do que você precisa, mas quer só testar para ver se você também sabe.

E então você fala, e o Preto-Velho te ouve.

E acontece algo inesperado nessa hora. Quando você começa a falar, você “pensa” tudo que quer dizer, mas diz outra coisa diferente, porque naquela hora, que o Preto-Velho desnudou sua alma, limpou suas mágoas e te olha com aquele olhar calmo e cheio de ternura, você se dá conta do que realmente precisa, do que realmente te aflige, do que realmente importa. E é como se sua alma falasse, não mais seu cérebro ou suas máscaras sociais.

E eis que lá está você, ajoelhada na frente de um Preto-Velho, com as mãos pousadas em seus joelhos, feito criança falando com o avô querido, e então o Preto-Velho aconselha.

E quando um Preto-Velho aconselha, é como se ele não estivesse falando com você simplesmente, mas estivesse falando com uma versão de você muito mais antiga, que você mesmo desconhece, e ele fala uma ou outra coisa que fazem pouco sentido na hora, mas que mesmo assim, algum pedaço do seu coração, compreende perfeitamente.

E quando a consulta termina, você sente na mesma hora a transformação.

Algo mudou, mas você não tem a exata consciência do quê. Seu coração está leve, um peso enorme foi tirado dele, algo novo foi colocado no lugar, ternura? Amor? Esperança? Você não sabe, só sabe que era exatamente o que você precisava e te faz um bem tão grande!

Quando um Preto-Velho cruza seu caminho ele te transforma.

E te inunda de luz e compreensão.

Av. Dona Sofhia Rasgulaeff 177.
Jardim Alvorada/ Maringá /Paraná
Telefone: (44) 3034-5827 (44) 99956-8463
Consultas Somente com Hora Marcada.
Atendimento: de Segunda a sexta-feira
Das 09:00 as 19:00 horas.
Não damos consultas:
via whatsapp ou via E-mail.



Esta entrada foi publicada em Linha dos Preto-velhos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.